segunda-feira, 24 de outubro de 2011

Ao seu espírito guerreiro


      Perdi meu pai! Não sei se é este o verbo que eu deveria realmente usar mas "perder" não sai da minha cabeça. Aquela longa teça-feira não se apagará de minha memória tão cedo. Aquele telefone tocando e a notícia dada, recebida aos prantos! E eu longe, longe do abraço que estava a caminho para dar e que não pude. Não deu tempo e esse tempo agora fica impregnado ao resto dos meus dias! Essa foi minha primeira perda, não sabia exatamente como agir. Não sabia como chegar e ver ele ali, deitadinho, sem poder me dizer qualquer coisa. Tudo foi muito triste e estranho demais. Tal como uma sensação que nos deixa bobos, onde por hora choramos, outra rimos, outra conversamos qualquer assunto e em outros momentos a realidade emerge e a dor aperta forte. Dor como em um corte na pele tratado a sal e vinagre, que arde por dentro e caminha junto ao fluxo do sangue. E tudo parece uma mentira, uma invenção! É como se meu pai apenas estivesse no hospital como em tantas vezes aconteceu. Desta vez, oito dias não foram suficientes para salvá-lo. Foi difícil entrar em seu quarto e ver que ele não estava mais lá, chorei abraçado em seu casaco, como uma representação do que me faltou!

      E então no meio disso tudo, uma coisa também não sai da minha cabeça: uma amiga que ao me abraçar comentou que uma vez eu havia dito que "estava preparado" para quando fosse acontecer! Tentei buscar dentro de mim o dia em que eu disse tamanho absurdo, logo eu que sempre digo que primeiro precisamos viver a dor para depois buscarmos as forças que se perdem. Comentei com ela que se eu disse isso, talvez não tivesse me explicado direito, talvez sim, espiritualmente eu estava preparado para enfrentar isso, embora não signifique que por conta disso não sentiria a dor de ver meu velho pai ali... É isso que estou tentando fazer, sentir toda a dor que eu puder para recomeçar meus dias! Passei essa semana com minha mãe, meus irmãos, sobrinhos e cunhados. Cada um tem sua forma de sentir! Para minha mãe certamente é mais difícil. Ela entra em choque com a realidade em diversos momentos, porque como falei não parece uma verdade absoluta ainda. Ela suportou junto com ele a doença, a agonia dos dias, os problemas e o sofrimento. Ela também nunca desistiu apesar de suas infinitas e compreensíveis reclamações. Ela esqueceu-se por um longo período para dedicar-se aos cuidados com meu pai. Agora, cuidaremos todos dela! E ela, de si mesma. Há tanto amor nisso tudo. Não houve revolta! Houve apesar de toda dor, compreensão e todas as pessoas que estavam lá dando seu último adeus ao meu pai, todas diziam a mesma coisa: "Lutador! Descansou! Merecia descansar". Espiritualmente eu estava ali desejando luz o tempo todo ao seu espírito, com minha cabeça um pouco confusa nas crenças, mas com toda a profundidade que sinto ser nosso caminho para a evolução. Estranhamente não o senti nenhuma vez ali. Nem depois, nem agora. Rezei para que ele já tivesse tido uma bonita passagem e que já estivesse no hospital da recuperação espiritual. 

      Meu pai já passou o umbral aqui mesmo e aguentou as tantas provações que a vida insistiu em lhe dar. Tive pensamentos de amor e gratidão, pois esse foi o maior legado que ele deixou. Meu pai não deixou uma só pessoa se quer neste plano sem gostar dele. Se eu procurar no mundo todo não encontrarei. Ele era um espirito e tanto, que conseguiu no final dos seus dias entender a sua trajetória e evolução. Ele agradeceu a vida por diversas vezes e nunca desistiu enquanto o seu câncer o enfraquecia por dentro. Foi perseverante, não se rendeu as fraquezas, dominou a sua depressão e deixou tudo isso como ensinamento há todos que assim como eu, entenderam a sua alma. Foi um lutador, um guerreiro. Semana passada eu estava refletindo sobre algumas coisas e pensei que uma das razões a qual estamos aqui nesse plano evolutivo é inspirar com nossa vida, nossos atos, outras pessoas. Quanta inspiração ele me deixou! Me vejo muito próximo dele hoje e acho que consegui aproveitar muitos bons ensinamentos que foi me dando ao passar desses últimos anos. A sua doença nos reaproximou e a sua trajetória me deixa tão orgulhoso! Eu só não sei exatamente agora como lidar com essa ausência, sem poder ouvir a voz, sem o abraço tão cuidadoso!

       Sobretudo, estou em paz! Sei que consegui ajudá-lo muito nos últimos tempos e tudo o que lembro exatamente agora é daquela nossa conversa de despedida quando já estava sentindo-se fraco e das palavras de agradecimento. Poderia eu, sentir-me melhor do que ter tido as últimas palavras de meu pai dizendo "obrigado por tudo o que tem feito por mim e por nós, meu filho, meu amigo!" Nem precisava agradecer, foi minha singela forma de retribuir o bem mais precioso que o senhor e a mãe me deram: a vida e a oportunidade de viver neste plano. Nesse mistério que é a nossa passagem, isso tudo faz com que eu cada vez mais queira entender qual é a minha verdadeira missão por aqui. E embora eu já compreenda que minha missão está na família, eu só ainda não descobri a verdadeira razão para isso!

    Descansa em paz! Que teu espírito receba toda a luz que estamos lhe enviando, que nossa saudade não te perturbe, que seja entendida como razão do amor que nos deu e ensinou. Entenda que é difícil conter as lágrimas por conta desse vazio que acabou por se instalar em nossos corações. Que teus amparadores lhe passem todas as mensagens de gratidão que lhe enviamos e que eles estejam cuidando bem do teu "corpo espiritual". Que logo compreenda e aceite a tua passagem e seja recebido por seres de luz por toda a parte em que estiver. Quando já estiver pronto, se puder olhe por nós. Se não tiver esse poder não se preocupe, já nos deu muito. Estou com teu velho violão e lembro do tempo em que em vida me presenteou com ele, será guardado com muito amor e tocado para evolução do teu espírito. Obrigado pai por tudo, sei que não lerá isso, mas sei que minhas intenções serão passadas a ti através de energia. Te amo do fundo da minha alma e espero a próxima oportunidade de vivermos outra passagem juntos! Por fim quero dizer que o senhor não se tornou nenhum santo só por que morreu. Se tornou sim meu sábio pela forma como insistiu em viver!
Amor, luz e gratidão.


video
Eddie Vedder_Goodbye

"EU TENHO O NOSSO AMOR PARA RECORDAR
QUE NUNCA VAI MUDAR
EU TENHO VOCÊ NA MINHA CABEÇA.
E NÃO, EU NÃO VOU MAIS TE ABRAÇAR
E EU AINDA ESTOU PERGUNTANDO O PORQUÊ...
EU ACHO QUE ISSO É UM ADEUS...
...
MEUS SONHOS DE REPENTE PARECEM TÃO VAZIOS
EU PODERIA IR SOZINHO MAS EU SINTO COMO SE TOCASSE OS MORTOS
E PARA O QUE SE SENTE PELA PRIMEIRA VEZ
EU NÃO SEI ONDE ESTÁ VOCÊ ESTA NOITE
E EU ACHO QUE ISSO É UM ADEUS...
...
NÓS VIVEMOS METADE DE NOSSAS VIDAS JUNTOS
CEM ANOS É UMA GRANDE QUANTIDADE DE PESO A SUPORTAR
E O SOL PODERIA ESTAR BRILHANTE
MAS HÁ UM OCEANO EM MEUS OLHOS...
PORQUE EU SINTO QUE ISSO É UM ADEUS...
SIM EU SINTO, ISSO É UM ADEUS!

terça-feira, 23 de agosto de 2011

Clareza: O despertar


     Esse provavelmente seja o último texto sobre este assunto nesta temporada. Amarguei semanas internamente conturbado. Desequilibrado em energia, um tanto quanto só. Escrevendo, pensando, analisando, discutindo assuntos que tinham no fundo, um mesmo tema, uma mesma direção: as existências! Li coisas, ouvi coisas, falei menos. No fim das contas, percebi que a grande descoberta dessa jornada está em entender a vida e a permanência do espírito mas nunca esquecendo que a vida que temos nesse plano, nesse mundo, precisa ser vivida tal qual somos: humanos! Se esquecermos de viver humanamente e experienciarmos tudo apenas espiritualmente, esse nosso retorno pro lado de cá perde sentido! Temos de ser complementos, não precisamos de forma alguma ser uma coisa só! Sei de mim, que não consigo viver "coisas minhas" a não ser profundamente. Vivo intensamente inclusive minhas dúvidas. Por me conhecer tenho a minha própria maneira de sair dos Períodos de Isolamento Interno: me instalando neles até que tudo se dissolva. Eu não engano minhas dores, eu preciso senti-las para curá-las! E tenho meu próprio tempo para isso. Quanto aos esclarecimentos, não posso me culpar por saber ou não saber. Se tenho realmente aprendido ou não ou se realmente a cada erro serei condenado ao passo que eles alteram meu caminho. Se minhas auto-punições são necessárias. Se minha compreensão, minha generosidade e minha ajuda bastam! O desconhecido se encontra na alienação dos sentidos: e o que é deveras verdade? Nosso subconsciente abriga o Universo. E eu continuo minha trilha: a busca está no todo, as respostas na simplicidade das coisas. 

domingo, 14 de agosto de 2011

Quantas vidas tem meu pai?

     Esta semana eu soube que meu pai havia ido até "a gruta" sozinho. Primeiro, meu pai que passou por um tratamento contra um câncer,  simplesmente não pode caminhar sozinho, todos se preocupam em saber se ele estará bem. Segundo, "a gruta" é lá morro acima! Poderia resvalar, cair, machucar-se. Nada disso aconteceu. Subiu, desceu e chegou em casa são e salvo. Meu pai: tantas altos e baixos! Sua saúde se tornou instável nos últimos anos e ainda assim agora teve forças para subir sozinho "em meio aquele mato". Hoje, Dia dos Pais, liguei para conversar com ele e obviamente toquei no assunto. Calmamente com sua voz mais tímida e fraca, ele contou que subiu até lá para rezar (há uma imagem da Nossa Senhora de Lourdes que permanece nesta gruta e dá nome ao Bairro onde nasci). Ele subiu para rezar e agradecer por ainda estar com nós, porque sente que foi o amor dos filhos e de minha mãe que o ajudou a ainda estar aqui neste plano. Após rezar, plantou mais algumas "mudas" de árvores pelo caminho. Meu pai com a sua doença, com seus setenta e um anos, com a sua sabedoria adquirida. 

      O texto de hoje não é nada triste, ao contrário. Fiquei tão feliz ao saber que meu pai, um tanto cético, compreendeu seu caminho por essa existência. Procurou sua fé, pediu compaixão e agradeceu. Num outro encontro que tivemos, em uma longa conversa de semi-despedida que ele quis ter comigo tempo atrás, dizia ele que nesta vida já havia sofrido tudo o que era preciso! Penso eu, que ele estava tentando entender sua evolução, sua jornada. E posso dizer que ele aguentou firme e com força. Mesmo com seu corpo físico mostrando o contrário por diversas vezes: ele jamis desistiu da vida! Qual é afinal o seu planejamento? A qual camada espiritual pertence? Sei que isso está longe de minha compreensão. Por hoje, agradeço ao seu espírito por ter me colocado em seu plano existencial. Estou profundamente interessado em entender/descobrir qual é o meu próprio plano nessa jornada. Ele veio antes para ser meu pai e junto com minha mãe deu à mim mais uma oportunidade a qual eu não posso desperdiçar! Toda essa vivência faz parte de nossa aprendizagem. Nosso amor será sempre transcendental. Nosso amor é o que sempre fará com que nos reencontramos! E que nossos reencontros nos tragam sempre a evolução a qual buscamos! Mas hoje tudo o que eu quero desejar é energia pura em forma de luz e agradecer em forma de felicidade a nossa vida juntos. 

************************************************************************************
Reeditado em 22/04/2015 (Data em que completaria 75 anos - meu pai faleceu em outubro de 2011)

segunda-feira, 8 de agosto de 2011

E pra ser feliz aqui, temos que aceitar que nos perdemos

     Percebi que chega uma etapa da vida em que alguns de nós passam por "crises espirituais"! Sim, espirituais e não propriamente existenciais! Quando afinal conhecemos realmente nosso espírito? Digo, em qual momento? Quando estamos numa fase "cheia de graça" ou quando resvalamos poço adentro? Quando estamos intelectualizando as coisas ou quando estamos num raro momento de "não pensamento"? De quanto tempo são nossas vivências? Até quando seguiremos experienciando e quando então alcançaremos nosso dia sublime? E sublime, lá existe? Embora várias perguntas, a questão hoje não trata propriamente das dúvidas mas daquelas certezas que às vezes como que intuitivamente apropriam-se de nossa mente! Certezas? Não sei se com todos acontece assim. Comigo, no momento não estou cabendo mais em meu corpo e durante essa semana tive vários vislumbres de como preciso seguir meu caminho daqui em diante! Estou num momento de tentar perceber quais são as almas luzes que me acompanham de outras existências. Daquelas que tenho absoluta certeza, procuro tentar saber ou entender até que ponto seguirão ainda comigo nessa evolução já que algumas me deixarão logo após nosso resultado alcançado. De quantas eu me desviarei no trajeto. Se prometi algo antes de voltar a este plano, não tenho entendimento racional para perceber/entender. Por conta disso vou usando todos os caminhos: a pista iluminada a frente, as estradas tortas e escuras ao lado. É por conta disso que após reavaliar a intensidade de meus desastres e tentar analisar o quanto disso me prejudica nessa caminhada, que cheguei a pelo menos uma conclusão: sim, me perdoo! Se estou nesse plano, preciso aceitar que por diversas vezes me perderei! Carregamos (quase todos) dentro de nós, luz e escuridão. Ambas são necessárias. Somos esculpidos de imperfeições! 

      Pretendo viver as coisas simples da vida, porque acredito que é disso que somos necessariamente parte. Apesar desse texto de hoje, penso também que ao longo de nossa existência essas tais crises espirituais são necessárias, porém não se pode prender-se à somente essas questões. Se ficarmos "encanados" com os porquês de tudo, deixaremos de viver humanamente! Tenho estado em busca permanente, as tais jornadas para encontrar a si mesmo, são constantes. Embora às vezes elas não pareçam  fases, mas parte intensa de meu cotidiano. Estou profundamente interessado na vida! Me aceitando como indivíduo, despertando. De todas as dores, medicando somente as que são para sanar. De todos os amores, absorvendo somente os incondicionais. Nessa complexidade que é viver, tentando encontrar o equilíbrio, nunca sendo extremista. E me desequilibrando quando encontro resultados no que é insano. De todos esses dias em diante, minha jornada segue no rumo da simplicidade das coisas. Eu sou aquilo que meu coração sente, que meu subconsciente expressa. Na brevidade da vida, eu sou aquilo que permanecerá. Meu corpo sempre será apenas uma caixa que carrega meu espírito. Minha natureza é humana mas minhas ações são espirituais! E a vida aqui, nem sempre é como deveria ser...

*******************************************************************************
Reeditado em 22/04/2015


domingo, 31 de julho de 2011

Jogue fora de sua mente o lixo que impede você de ver o que é realmente importante: este momento, aqui, agora...

       Nesta semana sofri algum acontecimento espiritual! Algo muito forte fez com que meus atos errados viessem friamente à minha cabeça e eu não consegui me desprender disso. Ficou martelando dia e noite, meus olhos estão cansados, minha expressão. Acredito fielmente no espiritual, na Lei do Retorno, mas rezo para que meus retornos ruins prejudiquem somente a mim, não incluindo ninguém que seja próximo. E então, justo nessa semana que fiquei preso no passado pensando em como isso pode alterar o futuro, assisti ao filme "Poder além da vida" me dando respostas para prestar atenção somente no presente. Além de alguns outros bons ensinamentos. Fiquei durante esses dias, fazendo vários questionamentos internos, várias perguntas, algumas cheias de medo. Estou começando o segundo semestre do ano, quero continuar focado como antes e levando a vida como antes, mas meu espírito está modificado. Eu já estava com o pensamento de retornar diferente do que eu estava sendo. Simplicidade extrema, já era o meu pensamento. Gostei de ouvir outro dia alguém falando que todos deveríamos passar todos os dias pelo processo de "humildificação". Lembrei de querer melhorar ainda mais isso em mim. "A felicidade está na jornada e não no destino" diz um dos diálogos do filme. Mas e o destino, existe mesmo? Ele é abalado pelos atos que comentemos, bons ou ruins? "Às vezes é preciso perder a cabeça antes de pensar com racionalidade". Ficou como um mantra em minha mente, uma espécie de tentativa de alívio pelas coisas erradas que já fiz. Um espécie de explicação, esperando acreditar nisso para aliviar minhas culpas, meus dramas. 

     Minhas questões são fortes: como posso errar tanto quando me considero alguém tão espiritual? Como posso não ter controle de certas situações? Como posso não pensar no depois? O que se pode fazer quando se faz algo que alguém não esperaria que fizesse? Já que você parece ser tão do bem, sempre interessado na evolução mas faz algo que acaba atrapalhando esse caminho? Como se pode falar ainda de confiança, respeito e honestidade quando já fez algo tão contrário à isso? Como já tendo causado mal a alguém pode se intitular uma pessoa espiritual? Tentando amenizar suas culpas por não ter tido nenhuma intenção? Como não sofrer por já ter machucado pessoas que se ama muito? Pedindo para que seus atos errados não tragam consequências quando você já aprendeu algumas lições? Como dizer que conhece a si mesmo quando age sem pensar? Do que somos capazes quando ainda não sabemos? O que fazemos para não machucar mais ninguém com nossos errados atos? Como bloquear nossos pensamentos de autoflagelação? Como controlar seus tantos demônios? Porque, meu Deus, porque erramos quando parecemos tão centrados, tão cheios de luz, como podemos trair princípios? Como ainda se podemos dizer que queremos estar sempre então no caminho da melhor verdade? Como perdoar a si mesmo? 

      Dúvidas infinitas de alguém que de uma estranha maneira está tentando se redimir, povoam minha cabeça. Um certo medo do tal destino, das punições, de ter estragado um caminho, de não ter volta. "Corte a sua mente em tiras, elimine todo arrependimento e medo, todo o resto pertence ao passado e futuro..." Simples assim? Não pra mim. Onde se guarda seus piores pecados então? Sinto que meu espírito está sofrendo alguma espécie de transformação. Ainda que ela esteja provendo de meus remorsos que já estavam tão inutilizados. Acredito sim em meu potencial espiritual, só receio por tudo que ainda vou errar. Só o que peço aos meus amparadores é que as consequências de quaisquer que sejam essas coisas, sejam sofridas apenas por mim. Eu já entendi que sempre há algo acontecendo! Não há momentos comuns. E que realmente nada permanece o mesmo. Eu só não imaginava que comigo, eu mesmo, estaria tristemente enganado...

       Começando uma nova jornada.

quinta-feira, 21 de julho de 2011

Fragmentos de "Into the wild"...absorvidos por meu espírito...

"É um mistério para mim, termos uma ganância com a qual concordamos...E você pensa que tem de querer mais do que precisa e até você ter tudo não estará livre...Mas quando você quer mais do que tem e precisa seus pensamentos começam a sangrar...SOCIEDADE SUA RAÇA LOUCA ESPERO QUE NÃO ESTEJA SOLITÁRIA SEM MIM..."(Society_Into the wild_Eddie Vedder) "Tais são o caminho do mundo, você nunca sabe onde colocar sua fé e como ela vai crescer...Tal é a passagem do tempo rápida demais para conter e de repente engolida por sinais...Vou me erguer trazer de volta buracos e memórias ocultas...Vou me erguer, transformar enganos em ouro..." (Rise_Into the wild_Eddie Vedder) "Vou aproveitar esta alma que tenho dentro de mim agora tal como uma nova amiga que sempre conhecerei...Eu tenho esta vida e eu irei em busca de crescimento...eu sempre serei melhor do que eu era antes..." (Long nights_Into the wild_Eddie Vedder) "Vento em meus cabelos me sinto parte de todos os lugares...sob meu ser está uma estrada que desapareceu...Eu tenho a minha indignação mas sou puro em todos os meus pensamentos e eu estou vivo..." (Guaranteed_Into the wild_Eddie Vedder) Dedico estes fragmentos à duas grandes amigas e pessoas, cujos espíritos nunca fizeram parte das falsas criaturas interiores que habitam nossa sociedade...Por terem visto parte do mundo e voltado com a humildade e espiritualidade de sempre! Com amor para Helen Durgante e Adriana Bolzan)

quarta-feira, 20 de julho de 2011

AMIZADE TEM DE SER LIBERDADE...

     Alguns amigos perdi, outros me perderam! Alguns me riscaram de suas vidas, outros eu excluí. Já escrevi sobre isso aqui algumas vezes, mas hoje, novamente "Dia do Amigo" há espaço para mais algumas breves divagações. No hoje, já não procuro grandes amigos, também já escrevi isso em outro texto em caixa alta e negrito. Procuro amigos, apenas! A grande e maior diferença é que meu entendimento sobre a vida mudou. Amigos não precisam ser amigos para a vida toda. Amigos devem ser amigos pela liberdade de escolha, sem cobranças, sem promessas. Amigos são amigos enquanto há afinidades entre eles, enquanto há amor e amizade, ponto final! Sei que me afastei opcionalmente de algumas pessoas por autoproteção. Não quero mais intimidade: apenas com poucos, selecionados. Já me bastam segredos meus contados à outros sem minha permissão! AMIZADE TEM DE SER INEVITAVELMENTE CONFIANÇA! Alguns amigos matei! Fui morto por outros: somos pedaços recortados do cérebro! Só não guardo mais rancor, embora egoistamente faço isso apenas por conta de minha saúde mental! Mas esse novo entendimento que tenho da vida me permite perceber que os rumos realmente mudam, os gostos se diferenciam, as conversas são outras, a linha de raciocínio é paradoxa. Porém, sempre há aquela amizade com pessoas especiais que jamais mudam! Isso tudo porque além do amor, há respeito, entendimento, há o "torcer pela vida uns dos outros", independente das escolhas. Há uma procura por querer estar por perto, por querer saber da vida do outro por interesse emocional, por vontade de compartilhar assuntos. Sem cobranças.

      Sei exatamente de todas as minhas culpas e de todas as minhas razões. Sei que não estive com muitos amigos quando eles precisaram assim como não tiveram comigo em períodos necessários. Vamos aprendendo com o tempo a repartir sentimentos e emoções! Com muitos nem falo mais, com outros falo pouco, com alguns estou sempre por perto, mesmo quando longe e eles comigo! Mas a vida também é engraçada às vezes, há uma antiga amiga em específico, que já não temos mais contato por escolha dela, por razões que já não são mais importantes, mas além dela ter tido papel fundamental em meu passado, foi através dela que posso dizer que indiretamente comecei meu relacionamento atual com o amor de minha vida, há sete anos atrás! Se um dia ela pudesse saber de algo resumido do que ficou, é que este é o maior agradecimento que eu poderia ter! No fundo vamos conhecendo pessoas importantes para cada momento que vamos experienciando na vida. Com cada pessoa, dividimos assuntos e situações diferentes. Todas sem exceção são responsáveis por novas partes acrescentadas em nosso cotidiano. Mas para não me estender mais do que isso: aos amigos que ainda tenho de coração, quero dizer que é sempre bom ver vocês, conversar com vocês, compartilhar coisas com vocês! Me sinto abençoado por ter alguns de vocês junto a mim. Nessa relatividade das coisas que vamos vivendo agradeço por entenderem o caminho que sigo e pelo amor que sinto vindo de cada um de vocês! Que seus amparadores os protejam sempre e que nossas vidas possam andar juntas por longo tempo ou que este tempo, seja apenas o necessário!

***********************************************************************************
Reeditado em 22/04/2015

quinta-feira, 23 de junho de 2011

Novo tempo de agradecer: eu estou exatamente onde eu queria estar

        Hoje pela manhã sentei um pouco em meu "canto espiritual" para uma costumeira mentalização! Sempre que estou em casa e paro, faço isso. Nem sempre eu realmente paro! Minha mente é um concerto contínuo ambulante. Estou há poucos dias de minhas férias do trabalho e também da faculdade. Há muito para agradecer sobre esta temporada de minha vida. Há pouco tempo descobri que nossa vida é feita de fases e que elas duram o tempo necessário para alguma transformação. Digo descobri há pouco, porque antes pensava que as fases duravam além do que deveriam. Já provei de tantos extremos e desse gosto amargo/doce que acredito, fui perdendo alguns medos e fui me transformando em quem sou hoje. No hoje, não me trocaria por nada, por ninguém como já escrevi há algum tempo atrás. Fui me tornando o resultado desse acúmulo vivido durante estas tantas fases. Trago em mim, a minha verdade e dela não me desfaço. E então, sentei por alguns minutos em meu canto espiritual e agradeci isso: sei que nada do que sou seria, se não acreditasse que meus amparadores estão sempre me guiando pelo caminho da melhor verdade. Eu os sinto perto, mesmo quando eu estou distante. Agradeci por estar ainda focado há mais de um ano e meio. Logo eu, que sempre me perco, há planos meus, que continuo perseguindo.

     A persistência me acompanha. Agradeci pelo meu trabalho, por minhas novas conquistas. Pela visão que tenho percebido que as pessoas tem de mim. Agradeci por ter conhecido mais pessoas nesta cidade onde no momento vivo, pois foi difícil ter sabotado outras quando parti da cidade antiga. É sempre difícil sabotar as coisas quando precisamos seguir um novo caminho. Então agradeci por já estar habituado a viver neste lugar que custei a aprender a gostar. Agradeci pelas experiências divididas que tive nesses últimos tempos onde incrivelmente comecei a me relacionar com pessoas com quase ou mais de quarenta anos e senti uma sintonia extrema de pensamento com elas. E há tão boa troca com todas elas! Agradeci, como sempre, pelos velhos e bons amigos ainda continuarem comigo, mesmo longe. E pelos que estão longe por não respeitarem minhas escolhas ou por já não termos compatibilidade, continuarem longe. Agradeci pela força de vontade concedida para que eu concluísse minhas ações do semestre e por meus resultados tão positivos. Logo conhecerei mais um lugar na lista dos tantos que pretendo conhecer e isso é motivo de agradecimento também. Motivo maior, é minha centralidade ao não cair nas tentações da sociedade, sociedade da qual sempre fujo, aquela que quer "status, posições, se dar bem, se dar bem, se dar bem na vida..." Agradeço por ter consciência e por conta disso, sempre que consegui "algo a mais" ter compartilhado em forma de ajuda com meus pais ou com alguns irmãos. Por ter me dado conta que não importa quão problemática seja, a família será sempre nossa base de sustentação e algo que tenho hoje como prioridade na vida. Agradeci também por ter alguém ao meu lado dizendo "eu te amo" o tempo todo! E por tudo que consegui até aqui, o qual jamais darei o nome de sorte, pois não sou sorte, sou peito aberto, esforço! Nossa vida é no fundo uma grande viagem, por mais clichê que isso possa parecer. Às vezes uma viagem alucinada, às vezes alucinógena, às vezes através da montanha-russa das emoções, outras na calmaria de um barco em água doce. Ninguém se manterá aqui! Somos todos temporários e por isso precisamos agradecer cada passagem. Meu bilhete tem sido validado/carimbado com muitas coisas boas. De meu banco agora, as melhores paisagens passam pelos meus olhos. E mesmo que seja apenas por este momento, até acabar essa breve estrada, que nenhuma viagem seja mais profunda que a interior e que nosso exterior possa se dar conta disso, antes que termine o tempo! Hoje, sou apenas gratidão...



sexta-feira, 1 de abril de 2011

Mea maxima culpa

     Objetivo presente: ouvir mais, falar menos! Como se fosse um mantra, ficarei repetindo isso diariamente em minha cabeça. Tenho falado demais e pior do que isso, dito o que eu não devo e inclusive não me diz respeito. Me tornei uma pessoa franca aos extremos, de tempos pra cá. Sempre me considerei uma pessoa muito além de sincera, mas sempre guardei frases que também pensava que não eram necessárias serem ditas. No hoje, minhas frases saem todas nuas! Sem pudor algum e sem medidas. Sejam frases escritas ou faladas. Me tornei uma pessoa tão direta que estou quase a me tornar uma pessoa prepotente - qualidade ou defeito que sempre ignorei em outras pessoas. Franqueza não pode ser confundida com arrogância. Mas arrogante, logo eu? Falar a verdade, ser claro e objetivo, sempre foi para mim, prioridades da fala. Porém, descobri que há coisas que devo guardar ainda que perguntado. Como é estranho se perder no caminho que se jurava ser "encontro". Era caminho, não fuga, era direção. E como então redirecionar minhas palavras? Como parar com aquilo que já se está acostumado? Como dizer menos? Como vestir as frases antes de despejá-las? Segurar a saliva na boca? Estou resguardado neste tempo presente. Me perdoem todos, eu nunca pretendi ter qualquer razão! Adentrando em mais um de meus "períodos de isolamento interno". E que dessa vez, nem escrito seja!