terça-feira, 23 de agosto de 2011

Clareza: O despertar


     Esse provavelmente seja o último texto sobre este assunto nesta temporada. Amarguei semanas internamente conturbado. Desequilibrado em energia, um tanto quanto só. Escrevendo, pensando, analisando, discutindo assuntos que tinham no fundo, um mesmo tema, uma mesma direção: as existências! Li coisas, ouvi coisas, falei menos. No fim das contas, percebi que a grande descoberta dessa jornada está em entender a vida e a permanência do espírito mas nunca esquecendo que a vida que temos nesse plano, nesse mundo, precisa ser vivida tal qual somos: humanos! Se esquecermos de viver humanamente e experienciarmos tudo apenas espiritualmente, esse nosso retorno pro lado de cá perde sentido! Temos de ser complementos, não precisamos de forma alguma ser uma coisa só! Sei de mim, que não consigo viver "coisas minhas" a não ser profundamente. Vivo intensamente inclusive minhas dúvidas. Por me conhecer tenho a minha própria maneira de sair dos Períodos de Isolamento Interno: me instalando neles até que tudo se dissolva. Eu não engano minhas dores, eu preciso senti-las para curá-las! E tenho meu próprio tempo para isso. Quanto aos esclarecimentos, não posso me culpar por saber ou não saber. Se tenho realmente aprendido ou não ou se realmente a cada erro serei condenado ao passo que eles alteram meu caminho. Se minhas auto-punições são necessárias. Se minha compreensão, minha generosidade e minha ajuda bastam! O desconhecido se encontra na alienação dos sentidos: e o que é deveras verdade? Nosso subconsciente abriga o Universo. E eu continuo minha trilha: a busca está no todo, as respostas na simplicidade das coisas.