segunda-feira, 9 de setembro de 2013

É o teu amor que me acompanha,
que é mar,
que é sol,
que é zelo,
que é grande.

Não quero ver o teu olhar triste,
espécie e meia de derrota,
o teu pavor de ficar só.
Nem ser a razão de teus planos desfeitos,
dissipados.
O nada, o vácuo, o se, o tão.

Prendo os desejos dentro de meu corpo,
não me alegra encontrar liberdade assim,
se em ti houver tristeza.
Permaneço.

A vida,
a história,
os anos,
o feliz encontro.

É o teu amor que me acompanha,
que é terra,
que é sólido,
que é forte,
que é imensidão.

Quero então ver o sorriso dos teus olhos.
                                                       Tua alegria cabe em mim.



Nenhum comentário: