sexta-feira, 30 de janeiro de 2015

A entrega

   Hoje, conversando com  uma pessoa iluminada, ouvi atenciosamente frases que ficaram perambulando em meu pensamento durante o dia todo. Em uma conversa onde falei menos para estar totalmente atento ao que me era dito, "a fala" sobre as nossas dúvidas ficou saltando pra lá e pra cá como se estivesse em uma tela em frente a mim: "A dúvida gera uma falta, a dúvida gera o abismo". Nesta fase em que me encontro, sinto que são as minhas dúvidas que secam a minha boa energia. Obviamente já há um trabalho interno acontecendo para a reversão disso, mas divago: tudo é movimento! E movimentos são necessários se entendermos que todos eles tem algo a nos esclarecer. São estas etapas que na verdade nos dão a chance maior para estudarmos a nós mesmos. Faço parte, talvez de uma minoria, que acredita que o autoconhecimento é que vai conseguir conduzir as nossas outras relações. A medida que mais me conheço, a medida que mais tento acessar informações que ainda estão ocultas mas ao meu alcance, a medida em que consigo estabelecer uma relação de amor comigo mesmo entendendo sempre o meu corpo apenas como a caixa que carrega o meu espírito (a minha consciência), então consigo me relacionar de forma positiva com as pessoas ao meu redor, consigo trocar experiências, consigo oferecer ajuda, receber ajuda e entrar na onda da reciprocidade. Esta abertura é gerada por um grau mútuo de evolução.

     As relações, sejam amorosas, familiares ou de amizade, trazem em si extremos: me sinto conectado através das relações, me sinto desconectado através das relações, e sei, dentro de mim, que são elas que me trarão os aprendizados necessários nesta existência. O que me dispersa, é nem sempre entender qual é o meu lugar dentro destas, onde me situo, qual a minha verdadeira importância. Desta forma, quando me entrego demais entendo também o momento de me retirar ou de deixar uma outra pessoa aproveitar aquele momento, negando a mim mesmo de certa forma. Algumas experiências negativas do passado, ainda geram em mim alguns conflitos internos e por consequência destes, alguns limites e meu lado observador antes tão saudável, hoje tem me conduzido para análises que eu não gostaria de estar tendo, mas que chegam de alguma forma, por algum veículo. Conversando com uma amiga esta semana, falávamos sobre estarmos bem com nós mesmos sendo que é quando não estamos que acabamos nos comparando com outras pessoas e encontrando nelas uma superioridade. Esquecemos que nos intitulamos indivíduos exatamente por sermos únicos e esquecemos também a beleza de nossas diferenças. Nos comparar com outro indivíduo é praticamente impossível porque estamos em diferentes degraus emocionais, psicológicos, sexuais, espirituais. Sempre encontraremos em uma pessoa o que não encontraremos em outra e nunca encontraremos em outra pessoa o que tínhamos na anterior. Nascemos em ambientes diferentes, tivemos condições diferentes, formações diferentes, informações diferentes, experiências diferentes. O que quero dizer com isso é quando conseguimos entender estas diferenças no outro, aceitamos a nossa singularidade e a beleza interior que carregamos. Cada pessoa nos oferecerá uma gama de sentimentos, emoções e prazeres diferentes. Para cada uma delas ofereceremos o que dispusermos naquele momento específico da vida que as encontrarmos. Tudo tem um tempo - início/fim - e depois seguiremos a nossa jornada sozinhos. 
    
    Ainda tenho uma longa estrada de aprendizados pela frente, mas deixar a minha verdade emergir é parte daquilo que busco: alinhar o meu caminho, estar no caminho - ainda que não o chame de "correto" devido aos meus tantos deslizes. Quero deixar sentimentos bons por onde eu passar, quero que o outro sinta que a experiência de evolução que teve comigo em alguma época de sua vida tenha sido válida, seja por algo que vivenciamos juntos, seja por alguma ajuda que pude oferecer, seja por uma reflexão que proporcionei, seja pelo amor que doei ou por um conjunto de fatores que fez com que houvesse um encontro entre nós neste plano. Assim seguirei em paz...

   Que minhas dúvidas sejam passageiras. Tão logo, eu retorne ao meu eu.

   


Nenhum comentário: