sexta-feira, 23 de janeiro de 2015

De volta à realidade

       De aproximadamente um ano pra cá me tornei uma pessoa mais vulnerável e por conta disso,  mais sensível. Tenho confrontado a mim mesmo com este lado novo,  até então desconhecido (e o desconhecido de imediato sempre assusta).  O fato é que por conta dessa sensibilidade alguns acontecimentos que antes não eram nem levados em consideração,  hoje "tomam" proporções maiores dentro de mim e de certa forma não me fazem bem. Este incômodo interior acaba por me deixar alguns dias pensativo,  intitulo estes meus dias como "período de isolamento interno" - sempre necessários. Em tempos como este o estudo do autoconhecimento se torna ainda mais intenso. Uma das hipóteses por exemplo,  que encontrei para tentar explicar tais sentimentos é pela intensidade que me envolvo nas relações (embora eu já tivesse aprendido a não esperar mais do que a mim também é oferecido). Sou um observador atento do que as "entrelinhas" querem me dizer,  eu tento entender o que o subconsciente da outra pessoa prefere exaltar em determinados momentos. Uso dois exemplos simples: se alguém não o incluiu em alguma situação em que você  desejava estar junto é porque de fato o esqueceu naquele momento específico e isso pode te trazer algum tipo de reflexão tal como se você é prioridade ou segunda opção ou se alguém que você ama age de uma maneira que não costumava agir, é sinal que o subconsciente está a mandar alertas de que algo poderá mudar. Essas entrelinhas,  embora hipotéticas, me interessam.

       Não lido bem com "me sentir excluído": trauma antigo. Muitos "nãos" soa como rejeição.  Me faz sentir tão  fechado para alguém com uma mente tão aberta.  Acredito que minha força interior venha do fato de eu admitir estas coisas,  não esconder meus defeitos e de não disfarçar como me sinto - a transparência do sentir. Se eu fingir agora que estou me sentindo seguro e que não estar no controle de minhas emoções me deixa em um lugar confortável não conseguirei chegar a uma resolução interna para exorcisar esta insegurança - um terreno novo,  nada fértil.  A insegurança a meu ver,  é um estado negativo que desiquilibra a nossa energia.  Embora também,  eu já tenha escrito diversas vezes sobre a minha  escuridão carregada de erros e "pecados sem perdão" - não carrego nenhuma auréola não! Mas eu sempre acredito que a minha luz prevalece. Somos o histórico que carregamos.  Nesta fase tenho seguido um caminho menos centrado e mais torto em minha busca de evolução e o escritor Jack Kerouac tem sido inspiração constante.   Histórias como a de "Na Estrada" comprovam que a maneira como nos perdemos no meio do caminho são  extremamente transformadoras alí, logo a frente. Por isso preciso "experienciar ".  Inclusive degustar estes sentimentos não bons.  O que me incomoda apenas,  é o fato de perder vida quando estou assim nesses períodos porque minha mente acaba trabalhando em análises  profundas dos porquês. E eu não  posso perder vida,  eu amo me sentir vivo e estar nesta oportunidade de jornada.  Nenhuma outra experiência é mais linda do que esta!

       Portanto,  aos poucos estou estudando métodos que me ajudem a diminuir o que venho sentindo,  é um processo lento mas que já iniciei.  Percebi por exemplo, que viajar para algum lugar quando algo não está bem internamente me ajuda a sair do foco e isso faz com que eu preste atenção nas histórias das outras pessoas e deixe o que me perturba cada vez com menos importância. A estrada é meu remédio e ter contato com pessoas diferentes alimenta o meu saber,  alimenta o meu espirito. Somos tão pequenos,  somos tão grandes. Por esses dias,  percebi que estou voltando a minha realidade,  andei por aqui e por ali,  me abri plenamente para o novo,  estabeleci confianças novamente,  deixei meu coração e sentimentos falarem mais alto.  Mas agora,  volto a mim,  volto pro meu espaço,  pro meu seguro (auto proteção). Espero absolutamente não ter magoado qualquer pessoa nesse período.

       Como um turista agora,  passeio por dentro de minhas próprias emoções. 






Nenhum comentário: