sábado, 10 de janeiro de 2015

A vida é uma estrada: sobre amizade e gratidão

     De alguns anos para cá me tornei muito interessado em espiritualidade e em tudo que envolve a minha vida nesse sentido. Desta forma, acredito que muitas coisas que acontecem tem um propósito maior do que me é permitido conhecer. Assim são com os encontros especiais que tenho com outros seres, encontros estes que só me fazem compreender o sentido maior de outras existências podendo assim acreditar que são na verdade "reencontros". Reencontrei portando, em minha jornada atual um Ser de Luz que chegou com a sua amizade pura e repleta de boa energia para melhorar o meu caminho. Como não celebrar este tipo de união? Como não crer que há algo que nos une que é invisível aos olhos e desperta nosso desejo de conhecimento?  Eu percebo claramente quando tenho uma conexão espiritual com outra pessoa e a vida me presenteou com pessoas lindas ao meu redor onde cada uma delas contribui para meu crescimento como Ser, seja na família, amigos, amores, colegas de trabalho, pessoas de rápida passagem... Porém, eu sinto internamente quando há muito mais que uma simples afinidade energética ou de sentimentos, eu sinto quando este afeto é ligado por uma profunda conexão espiritual e nesses meus trinta e poucos anos vividos neste plano, eu conto nos dedos de apenas uma mão, aquelas pessoas que sinto ter esta linda união espiritual. Este irmão que chegou para deixar meu mundo mais feliz, é a quinta pessoa que reencontro nesta jornada. Meu lado sensitivo me faz perceber isso de forma bastante clara. Certos encontros não são por acaso, acontecem porque devem acontecer.

     Sinto que nossos espíritos se encontraram para ajudar um ao outro, se estava programado não sei, prefiro talvez pensar que seja um presente dos amparos. Há um desejo forte de seguir a caminhada juntos, porque o sentimento de amizade que nos une é tão forte que fica impossível pensar neste momento em uma vida longe um do outro, embora o tempo a se passar junto sempre será indefinido: passamos com as pessoas o tempo necessário para a evolução de cada um, depois as energias procuram outro lugar para repousar. Prefiro pensar assim, para que não haja sofrimento nas separações que a vida ainda me trará. Tive grandes amigos, aqueles do peito, alguns ainda mantenho outros seguiram caminhos diferentes e ter o entendimento que ficamos juntos o ciclo que precisávamos, faz com que eu não sinta tristeza e encare isso de forma madura e natural. Às vezes, por força do hábito ainda escrevo a palavra "sempre" mesmo já tendo entendido que "sempre" é longe demais para se pensar. Prefiro então, aproveitar o momento que me é oferecido e sugar tudo o que posso de bom destas relações. Amizade para mim é troca, uma genuína troca de saberes e aprendizados onde ambos conseguem ajudar e estarem abertos e vulneráveis a serem ajudados. Amizade sobretudo tem de ser liberdade.

     Havia um desejo de visitar o Templo Budista em Três Coroas/RS com este irmão espiritual  e este desejo aconteceu há um dias atrás. Este templo se tornou muito importante em minha jornada e é onde vez por outra recorro, dessa forma eu queria apresentar à ele este lugar. Na verdade, posso dizer que não vou mais ao Templo para procurar algo. Até porque nos finais de semana que é quando geralmente consigo ir, as pessoas visitam muito este lugar, então é impossível "meditar" por lá. Também não sou praticante de meditação (minha ansiedade agora medicada, não permite). Não carrego nenhuma obrigação de estar com a mente preparada, nenhum ritual misterioso para chegar lá. Não vou exatamente para fugir de algo ou para buscar nada. Paz? Descobri agora, até mesmo depois de ir até lá, que a paz está dentro de nós, não importa o quão silencioso ou barulhento seja o lugar. "Não é o que sinto por estar no Templo, é como me sinto depois que visito o Templo". É a Energia que sinto revigorar a partir do outro dia e que potencializa a minha semana toda, até meu mês. Mas de alguma maneira este lugar é muito especial. É onde minha espiritualidade de certa forma fica mais aflorada. Durante os últimos anos tudo o que mais tenho feito é buscar o autoconhecimento, entender que sou um Ser feito metade de luz e metade de escuridão me ajuda a encontrar o equilíbrio. Aceito os meus defeitos múltiplos, encaro de frente as minhas fraquezas principalmente em relação aos desejos (de todos os tipos, emocionais, materiais, sexuais...), entendo que costumeiramente erro e que isso faz parte de meu crescimento, já que de forma alguma meus erros estão expostos para magoar outra pessoa, sei que carrego "pecados" e sentimentos ruins mas que também contribuo com a minha luz, minhas qualidades e bondade para ajudar outras pessoas em diversas situações. Depois destes anos de estudo sobre mim mesmo, me sinto mais confortável a contribuir com o que aprendi. E ainda estou no caminho mais difícil que é praticar o meu desapego.

     Desta vez porém, enquanto estava no Templo com este amigo já tão importante, fiz apenas uma única coisa, sem mesmo ele saber: mentalizei gratidão por tê-lo encontrado, pensei na energia que nos une e desejei somente as melhores intenções para a sua jornada. Há uma diferença na idade terrena mas acredito na idade do espírito, na sintonia das energias, acredito que nossas consciências pertencem a mesma camada espiritual. Nosso reencontro somente fez bem um ao outro e trouxe uma felicidade de paz interior para ambos: ganhamos muito ao trocar experiências. A maior energia que posso doar a alguém é aquela que carrega o sentimento do amor: e eu me preocupo com o seu caminho, com a sua vida, com as suas dúvidas... Desejo estar por perto para poder ajudá-lo quando necessitar de minhas palavras e de meu abraço. E eu sou profundamente grato aos amparos por esta possibilidade que me foi concedida novamente quando eu já havia passado pela triste experiência de perder a confiança. Há tanto agora a aproveitar, tanto a fazer nesta linda oportunidade que é a vida. Vamos "coletar momentos, não coisas", a felicidade sempre será melhor quando compartilhada. A vida é uma estrada... E minha estrada está mais feliz agora. Que nossos amparos abençoem a nossa jornada!

     Com pensamentos de amor e gratidão meu novo ciclo inicia aqui...


Templo Budista Khadro Ling em Três Coroas/RS, 09.01.2015: Juliano e eu.
Minha oração: https://www.youtube.com/watch?v=maVKTZchxiA