segunda-feira, 9 de novembro de 2015

A beleza na dor da descoberta

(Preciso de silêncio)

     Há uma certa beleza na dor de descobrirmos quem exatamente somos ou o que queremos, ainda que surgida de dentro de um choro que estava trancado, quase seco. Há esta beleza na dor de descobrir quem não somos e o que não queremos, uma beleza na dor do entendimento daquilo que não podemos continuar a fazer.

(Preciso de silêncio)

     Há uma certa beleza no choque de nos darmos conta do que nos angustia e nos cansa, uma beleza no medo. Há esta beleza escondida no sentimento de indignação e de perda, escondida na ilusão do que consideramos justo. Uma beleza nesta tristeza de transformação. Há uma beleza na negação do tipo de vida que não queremos continuar a ter.

(Preciso de silêncio)

     Um choro, um respiro, pensamentos distantes e um silêncio, preciso de um profundo e curador silêncio.