terça-feira, 13 de setembro de 2016

Funções e relações pessoais

    Com o entendimento de nossa existência neste plano, vamos nos dando conta dos papéis que representamos. Representação esta, no sentido literal da palavra. O que representamos para as pessoas que convivemos, o que elas representam para nós? Depois de alguns acontecimentos nestes últimos dias, me indago a refletir sobre este assunto.

    O que acontece é que cumprimos diferentes funções em nossas relações pessoais e precisamos ter a compreensão de que estamos no caminho de nossa evolução e que nossos acertos e erros estão ligados àquilo que conseguimos ou não desempenhar: podemos ser um grande amigo para os amigos mas falhar como namorados com nossos amores, podemos ser tios inspiradores e errarmos sendo pais. Nossa mãe pode ser a mãe mais amorosa que poderíamos ter mas não ser uma boa esposa, nossos irmãos podem ser bons homens e serem maridos ausentes, o seu amigo pode ser aquele o qual pode sempre contar e ser um funcionário a qual nenhuma empresa contrataria. E o que mais compreendo nessa análise toda, é que, ao entendermos que não vamos agradar a todas as pessoas as quais nos relacionamos, ficamos ciente de que estamos em constante processo de melhoria como Ser e conseguimos tirar das costas aquela mochila carregada de pedras. Eu nem sempre serei aquele o qual você precisa ter por perto e você poderá escolher entre manter esta relação ou afastar-se dela. Dependerá de vários fatores, principalmente quantos "sim" ou quantos "não" haverá entre nós e se há equilíbrio e dedicação mútua. 

     Exerceremos a nossa função e teremos de suportar todas as consequências pelas vezes em que não seremos completos para o outro, e vice e versa. As outras pessoas tem o direito de escolher se somos interessantes o suficiente para continuarmos em seu grupo de relacionamentos. Nós somos livres para decidir quais delas também continuam em nossa caminhada. A estrada fica mais bonita quando a clareza e leveza andam de mãos dadas, nunca esquecendo que a rota é a vida.




Nenhum comentário: