quarta-feira, 20 de dezembro de 2017

A desilusão com o maior presente

    Nesta última temporada da minha jornada recebi um dos maiores presentes que o Universo poderia oferecer: a DESILUSÃO. Quando recebemos este presente, não entendemos que se trata de um presente, pois ele abre um período supostamente criado para as dores emocionais e ficamos submersos nestas águas tão cheias de mágoas até conseguirmos emergir e respirar novamente. Mas é ela, é a desilusão que nos tira o véu ilusório dos olhos, é a desilusão que nos mostra a vida como ela é, as pessoas como elas são, sem enfeite, sem a nossa própria invenção. A desilusão é a vida real batendo à sua porta pedindo para entrar e sentar: bem vindo ao mundo dos "pés no chão", aprenda a andar descalço sentindo a terra e devolva aquela nuvem que por algum tempo você alugou. A desilusão nos livra da ilusão e isso é um presente, não esqueça!

    A desilusão me deu a chance de aperfeiçoar muitos sentimentos internos, o principal deles foi não guardar qualquer rancor no peito e colocar o amor genuíno acima de todas as coisas. Oferecer ajuda e amor àqueles que possam ter causado uma ferida é o antídoto para a cicatrização e cura desta dor. Levo isso para minha evolução pessoal com um sorriso no rosto após tantas lágrimas. Tudo é transformação interior. Estou sinceramente feliz por ter conseguido manter o amor acima daquilo que me machucou, diferentemente de outras épocas. Os sentimentos bons são sempre maiores e se tornam o combustível para seguir em frente por muitos quilômetros.

    Entender que a nossa jornada é solitária, agradecer por quem caminha junto durante o percurso e compreender a beleza na liberdade de quem quer seguir outra estrada. Continuo nessa viagem esvaziando as malas que já não servem,  apenas carregando as melhores bagagens emocionais.

    À todos que  amo, o valor de um pedaço inteiro. Gratidão.